Sexta-feira, 1 de Fevereiro de 2008
Entrevista a Gonçalves Sapinho - 2ª Parte

Gonçalves SapinhoTal como prometido, deixamos agora as conclusões da segunda parte da entrevista ao presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Gonçalves Sapinho.

 

Começámos por informá-lo das conclusões dos questionários efectuados à população. Referimos os pontos fortes de S. Martinho do Porto (sossego e beleza natural) e os pontos fracos (falta de atracções e de animação). De seguida apresentámos as sugestões da população para o melhoramento da vila: despoluição da baía, melhoramento da escola e construção de um hipermercado, de discotecas e bares, de piscinas municipais e de um anfiteatro e da criação de uma associação recreativa.

  • A despoluição da baía, como já referido no post anterior, já está em progresso.
  • O melhoramento da escola é uma responsabilidade do Estado embora a Câmara possa colaborar.
  • Também já foi referido que o hipermercado vai ser construído à entrada da vila.
  • Acerca das discotecas, disse-nos concordar com a eventual abertura de uma na zona, desde que fossem cumpridas as regras e que esta se encontrasse relativamente distanciada das habitações, de forma a não perturbar o sossego local. Contudo, salientou que este tipo de investimentos tem de partir de empresas particulares.
  • Sobre as piscinas municipais, referiu-nos que a Câmara aprova e concorda com a necessidade desse espaço em S. Martinho. No entanto, devido à existência de inúmeras piscinas curtas (de 25 metros) nas redondezas (Caldas da Rainha, Nazaré, Alcobaça, Benedita, etc.) a construir seria uma piscina olímpica (de 50 metros). O problema é que um projecto destas dimensões, para além de exigir terrenos alargados com condições parta o efeito, implica também um elevado investimento, para o qual a vila ainda não está preparada devido à pouca população residente. Além disso, era necessário haver alguém com vontade de investir num projecto destes, e gente qualificada para o levar em frente. Sublinhou que se tem que ir respondendo às necessidades adequadas aos tempos.
  • Quanto ao anfiteatro, disse-nos que a dificuldade estava na dimensão: não poderia ser muito grande pois haveriam alturas em que estaria praticamente vazio, havendo assim um grande desperdício de lugares, mas também não poderia ser muito pequeno porque os lugares poderiam não chegar para eventos de maior envergadura, e sendo S. Martinho um local muito agitado no Verão e muito sossegado no Inverno, encontrar esse equilíbrio seria extremamente difícil.
  • Relativamente à associação recreativa, o Sr. Gonçalves Sapinho mencionou que deve ser uma iniciativa da população e não da Câmara Municipal.

 

Falámos-lhe também sobre o nosso projecto de juntar uma piscina e um anfiteatro num só edifício. Quanto a este assunto, para além das objecções já referidas para a construção tanto das piscinas como do anfiteatro, levantou mais uma: a dificuldade de conseguir encontrar alguém interessado em investir em ambos os projectos.

 

Finalmente questionámo-lo quanto a uma possível restauração e reabertura do Hotel Parque, como forma de atrair turismo de qualidade. Respondeu-nos que gostava de o ver reconstruído. No entanto, o edifício é particular e, portanto, qualquer investimento na sua restauração tem que partir do seu proprietário e há que ter em consideração se o investimento será ou não rentável. De qualquer das formas, garantiu-nos que a Câmara Municipal não autorizará qualquer eventual proposta para a sua demolição.

 

Para concluir, o Sr. Gonçalves Sapinho acedeu em contribuir para a divulgação do nosso projecto.




Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008
Entrevista a Gonçalves Sapinho (corrigida)

Na passada quinta-feira fomos, como já foi referido, entrevistar o presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Gonçalves Sapinho. A entrevista foi dividida em duas partes: uma sobre os projectos em desenvolvimento em S. Martinho do Porto e outra em que discutimos as nossas sugestões. Apresentamos aqui as conclusões da primeira parte da entrevista.

 


Iniciámos a entrevista questionando o Sr. presidente sobre a existência e a utilização dos potenciais. Ele disse-nos que S. Martinho possui potencialidades ilimitadas no campo do turismo, tendo ainda muito a explorar como por exemplo: despoluição da baía, iluminação e os aspectos estéticos do paredão.


No que se refere á despoluição da baía, disse-nos que a maior dificuldade está em limpar todos os efluentes que chegam à mesma. Para tal está em vigor um projecto para a construção de três ETAR’s, uma grande e as outras em menor escala, todas relativamente distanciadas. Uma das pequenas já está construída perto da baía (um investimento de muitos milhões de euros, fundos disponibilizados pela União Europeia), com a função de reter a maior quantidade possível de lixos. As outras duas que restam, estando uma em construção, destinam-se á suinicultura, eliminando os efluentes em curso. Foi já realizado um desassoreamento, mas este é apenas um pormenor que pouca diferença fez.


Em relação á iluminação da marginal, os focos encontram-se momentaneamente desligados, até à finalização das obras. Foram ainda referidos os projectos em desenvolvimento de requalificação da marginal, e outros com o mesmo intuito de melhorar os aspectos estéticos de São Martinho: o tratamento das dunas e o passeio pedonal sobre as mesmas, por exemplo.


Seguidamente questionámo-lo acerca dos actuais projectos em desenvolvimento na vila. Foi-nos referida a construção do elevador no Largo José Bento da Silva (conhecido por Adro) e a conclusão das obras nas ruas adjacentes á marginal.


Para o futuro estão previstos:

  • O melhoramento da calçada D. Pedro V até á igreja, a começar já no próximo mês; 
  • O alargamento e prolongamento da avenida paralela à marginal entre esta e o caminho-de-ferro, com dois sentidos e estacionamentos de ambos os lados, com o objectivo de desafogar o trânsito. Chegou-se à conclusão de que não vale a pena construir parques de estacionamento na vila, pois estes não são usados;
  • Abertura do Centro de Saúde nos prédios em frente á escola secundária que está apenas à espera de autorização por escrito. Como resposta às queixas da população relativamente à prioridade da despoluição da baía no lugar do Centro de Saúde, o Sr. Sapinho referiu que as verbas são enviadas para o referido efeito e, portanto, qualquer outro rumo que pudessem levar seria ilegal,  além disso a saúde é exclusivamente da responsabilidade do Estado;
  • Supermercado Intermarchê, à entrada da vila;
  • Passeio pedonal e ciclo-via desde Alfeizerão até São Martinho do Porto;
  • Projectos de animação em época de Verão, como por exemplo: cinema ao ar livre.


Posteriormente interrogámos o Presidente sobre o projecto para a construção de campos de golf em S. Martinho do Porto, do qual tomámos conhecimento através do jornal "Região da Nazaré". Informou-nos que os campos de golf se vão situar nos campos entre São Martinho e Alfeizerão. Serão construídos dois hotéis, cada um com um campo de golf de nove buracos. Este investimento parte de particulares e é apoiado da Câmara Municipal, pois promove o turismo e traz novos empregos.


O Sr. Gonçalves Sapinho disse-nos que a maior necessidade da vila é a adapatação da população ao crescente fluxo de turismo que se prevê continuar a progredir exponencialmente. Falou-nos também da construção de mais estabelecimentos comerciais e restaurantes, evidenciando ainda que os investimentos nestas áreas foram maiores nos últimos três anos do que nos anteriores cinquenta.


Quanto ao parque de campismo foi-nos dito que há muitos interesses em jogo, pessoas que investiram naquele lugar e que não têm qualquer culpa das ilegalidades do mesmo, pelo que o seu futuro tem sido adiado, enquanto se procura encontrar a melhor solução. Acabar com ele está fora de questão, pois é importante para o turismo, embora se considere a hipótese de o transpôr para outro local.

Voltaremos em breve com as conclusões da segunda parte da entrevista.



Publicado por smp_azul às 17:23
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008
Projectos
Hoje pelas nove horas da noite, vamos conversar com o presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Gonçalves Sapinho. O tema da conversa vão ser os projectos para o futuro de S. Martinho do Porto. Depois de falarmos daqueles que estão já a avançar por iniciativa da Câmara Municipal, pretendemos dar a conhecer os nossos próprios projectos, bem como pedir colaboração e apoios.

Um desses projectos é a restauração do Hotel Parque, para a promoção do turismo. Outro, mais ambicioso, é a construção de um pavilhão com uma piscina e um anfiteatro grande com condições para receber sessões de cinema, peças de teatro, concertos, etc. O objectivo é não só promover o turismo, mas também da cultura e desporto. Para além disso, tentamos ir de encontro aos desejos manifestados pela população através dos questionários que efectuámos.

Mais uma vez, publicaremos as conclusões da entrevista logo que tal seja possível. Para evoluir, inovar e recriar em S. Martinho do Porto.

Estou: confiante


Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008
Entrevista a Ernesto Feliciano

Tal como já foi enunciado anteriormente, na passada 5ª feira entrevistámos o Senhor Ernesto Feliciano (ex concorrente à presidência da junta de freguesia).


Iniciou-se a entrevista questionando-o sobre a existência e utilização dos potenciais da vila. O Sr. Ernesto Feliciano disse-nos que a vila tem bastante potencial mas a beleza natural não estava a ser bem aproveitada, podendo haver mais animação, emprego e atracção jovem.


Seguidamente questionou-se que projectos o senhor tinha em mente quando concorreu á presidência da junta de freguesia. Este salientou-nos que o mais importante era investir no Turismo de qualidade, pois ia atrair mais população á vila, não só em época de Verão, como também no Inverno, trazendo então mais postos de trabalho. Com o Turismo era importante promover actividades que envolvessem as várias faixas etárias, como por exemplo: concursos de bandas, semanas gastronómicas e desportos náuticos (remo e vela). A nível ambiental é importante continuar com o processo de despoluição da baía. Finalmente a nível de construções, o entrevistado concorda com as obras da marginal, devido ao melhoramento do saneamento e do aspecto mais atractivo para os turistas. Por outro lado, discorda que seja permitido, pelo plano pormenor, a construção de prédios de quatro andares, defendendo que edifícios destas dimensões perturbam a estética da baía imediatamente em frente. É importante referir, segundo nos foi dito, que as construções não partem da junta de freguesia ou da câmara municipal, mas sim do investimento de empresas particulares.


O Sr. Ernesto Feliciano disse-nos que o fundamental para o melhoramento da vila era a construção do centro de saúde, porque este proporcionaria uma maior qualidade de vida à população.


Em segundo lugar na lista de prioridades colocou o Turismo, sugerindo a construção de um grande parque de estacionamento ao lado do parque de campismo e vários, menores, no interior da vila. Uma vez que o grande parque de estacionamento se encontraria no extremo da vila, poderia recorrer-se a um comboio turístico, que percorresse os principais pontos turísticos. A iluminação da marginal também não é a melhor, tendo em conta que os candeeiros altos iluminam os prédios, em vez de iluminarem o paredão. Também os pequenos focos que apontam para a praia encontram-se de momento desligados, sem razão aparente. Para inovar a imagem da vila, foi sugerido iluminar o morro do farol com focos colocados na sua base.


Em terceiro e último lugar, a Câmara Municipal devia promover eventos culturais e desportivos.


Para por as suas ideias em prática eram necessários investidores, fornecendo principalmente comércio e emprego, e a colaboração da população. É também necessário calcular bem os gastos e os lucros, o que não aconteceu no investimento feito no terreno onde foram realizadas as festas de Santo António, pois este é privado e está actualmente a ser utilizado para a construção de apartamentos. Assim, os gastos efectuados a nível de limpeza e alcatroamento foram em vão.


Finalmente, falámos sobre o destino do Parque de Campismo. Este não esta legal, devido á falta de licença. Não havendo melhorias do mesmo este acabará por fechar. Na opinião do ex candidato á presidência da Junta de Freguesia, o Parque de Campismo devia de ser projectado noutro local.

 


Voltaremos com mais informações.




Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2008
Entrevistas
Tal como anunciado na planificação de actividades anteriormente publicada, vamos durante as próximas semanas realizar entrevistas a diversas entidades entidades de relevo em S. Martinho do Porto.

Uma delas é a entrevista ao Sr. Ernesto Feliciano, ex candidato à junta de freguesia, que será realizada já amanhã, 5ª Feira, pelas 16 horas. Também está prevista a realização de uma entrevista no posto de turismo, a realizar muito em breve.

Ambas as entrevistas têm já os guiões prontos e servirão não só para obtermos informações sobre os potenciais da vila e projectos em desenvolvimento, mas também para tentarmos promover e angariar apoios para os projectos de melhoramento da vila que começámos recentemente a esboçar, com base nas informações conseguidas ao longo dos últimos meses de trabalho. E que projectos são esses? Em breve os divulgaremos.

As conclusões de ambas as entrevistas serão publicadas logo que possível.
Porque queremos evoluir, inovar e recriar em S. Martinho do Porto


Publicado por smp_azul às 17:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre nós
Procurar em SMP
 
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Miradouro

Entrevista a Gonçalves Sa...

Entrevista a Gonçalves Sa...

Projectos

Entrevista a Ernesto Feli...

Entrevistas

Entrevista a Cipriano Sim...

Relatório de Aula

Arquivos

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Estamos aqui... Algures

Ver mapa maior
tags

todas as tags

Mergulhos
blogs SAPO
subscrever feeds